Páginas

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Carnaval

Esse Carnaval foi tranquilo, não fui a nenhum bloco, tava desanimada com o calor e fiquei em casa curtindo a família e lendo. Mas teve um pouco de curtição também é foi muito feliz, apesar de super sossegado.

4a. Feira, dia 07/03, fui a um baile com meus amigos de trabalho no MAC e.foi muito agradável.



Na 5a., dia 08/03, teve bailinho trabalho e meu recesso começou (só volto a trabalhar no dia 19/02).



Sábado, dia 10/02, encontrei as amigas, almoçamos juntas, colocamos o papo em dia e matamos saudade.



Fiquei todos os outros dias em casa, lendo e vendo os desfiles das escolas de samba pela TV e curtindo o pretinho do poder.



4a. Feira de cinzas que lavei a alma por.todos os dias, pois a minha escola do coração, a Unidos do Viradouro, foi campeã do grupo de acesso e eu, marido e minha irmã fomos pra quadra comemorar.







Valeu por todos os dias!!!
Feliz demais.

E o resultado do grupo especial foi esse:






Beijosssssssssssssssss
┌──»ʍi૮ђα 

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Livros: Janeiro 2018




O amante japonês: Irina foi trabalhar num asilo, onde conheceu Alma e a relação virou amizade. Junto com Seth, o neto de Alma, Irina começa a desvendar o passado da idosa cheia de vida, amor e mistério é é revelada uma linda historia de amor, amizade e cumplicidade entre Alma, Nathanael Belasco e Ichimei Fukuda. Lindo demais. Só lendo pra saber. Daquele livro que se termina com lagrimas nos olhos e dá um abraço apertado nele.

Sinopse: Uma paixão secreta que perdurou por quase setenta anos. Em 1939, ano da ocupação da Polônia pelos nazistas, Alma Mendel, de oito anos, é enviada pelos pais para viver em segurança com os tios em São Francisco. Lá, ela conhece Ichimei Fukuda, filho do jardineiro japonês da família. Despercebido por todos ao redor, um caso de amor começa a florescer. Depois do ataque a Pearl Harbor, no entanto, os dois são cruelmente separados. Décadas depois, presentes e cartas misteriosos são descobertos trazendo à tona uma paixão secreta que perdurou por quase setenta anos. Varrendo através do tempo e abrangendo diferentes gerações e continentes, 'O amante japonês' explora questões de identidade, abandono, redenção, e o impacto incognoscível do destino em nossas vidas.


Se a vida é um jogo, aqui estão as regras: sempre tive preconceito com livro de autoajuda e esse foi o 1o. (de muitos) que li. Adorei! Super prático, com tarefas pra fazer. Me ajudou muito a criar metas, ver coisas e relacionamentos que preciso mudar... Recomendo!

Sinopse: Com o humor e a clareza que os tornaram populares no mundo inteiro, Allan e Barbara Pease apresentam as explicações científicas por trás da chamada Lei da Atração, mostrando por que (e como) atraímos para nossa vida aquilo em que mais pensamos. Conquistar o que você deseja é mais uma questão de escolha do que de talento ou sorte. Se você não consegue realizar seus sonhos ou evoluir na direção que procura, está na hora de conhecer as verdadeiras regras da vida e virar o jogo a seu favor. Com décadas de experiência em estudos do comportamento humano, os autores ensinam como reprogramar nossos pensamentos, influenciar positivamente o mecanismo cerebral envolvido nesse processo e adotar uma mentalidade voltada para a realização – e não para o medo do fracasso. Se você deseja alcançar um objetivo ou mudar algo na sua vida e não sabe por onde começar, este livro vai mostrar o que você precisa saber para dar o primeiro passo.

A sutil arte de ligar o foda-se: Mais um autoajuda pra lista. Querendo mudar realmente esse ano, estou buscando 'conselhos' nos livros. Esse é bom, mas não é dos melhores. Esperava mais dele, mas sempre dá pra tirar umas lições. O que mais gostei nele foi conhecer a historia do Hiroo Onoda, do exercito japonês, que mesmo após o fim da 2a. Guerra ficou quase 30 anos na floresta, vivendo na mata no maior perrengue, até que foi encontrado por Suzuki (um hippie muito louco) e ao ser questionado porque não voltou, ele respondeu que recebera a ordem de "jamais se render". Depois veio morar no Brasil, onde ainda tem netos e bisnetos. Louco demais! Adorei essa parte.

Sinopse: Chega de tentar buscar um sucesso que só existe na sua cabeça. Chega de se torturar para pensar positivo enquanto sua vida vai ladeira abaixo. Chega de se sentir inferior por não ver o lado bom de estar no fundo do poço. Coaching, autoajuda, desenvolvimento pessoal, mentalização positiva - sem querer desprezar o valor de nada disso, a grande verdade é que às vezes nos sentimos quase sufocados diante da pressão infinita por parecermos otimistas o tempo todo. É um pecado social se deixar abater quando as coisas não vão bem. Ninguém pode fracassar simplesmente, sem aprender nada com isso. Não dá mais. É insuportável. E é aí que entra a revolucionária e sutil arte de ligar o foda-se. Mark Manson usa toda a sua sagacidade de escritor e seu olhar crítico para propor um novo caminho rumo a uma vida melhor, mais coerente com a realidade e consciente dos nossos limites. E ele faz isso da melhor maneira. Como um verdadeiro amigo, Mark se senta ao seu lado e diz, olhando nos seus olhos: você não é tão especial. Ele conta umas piadas aqui, dá uns exemplos inusitados ali, joga umas verdades na sua cara e pronto, você já se sente muito mais alerta e capaz de enfrentar esse mundo cão. Para os céticos e os descrentes, mas também para os amantes do gênero, enfim uma abordagem franca e inteligente que vai ajudar você a descobrir o que é realmente importante na sua vida, e f*da-se o resto. Livre-se agora da felicidade maquiada e superficial e abrace esta arte verdadeiramente transformadora.

Jo

30 e poucos anos e uma máquina do tempo: o 1o. desafio do ano era ler um livro de ficção científica, estilo que não curto nem um pouco. Daí comecei a procurar algum que não fosse ser tão ruim de ler e achei esse, que me amarrei. Queria muito achar uma máquina do tempo assim pra ir ver shows do Elvis, Janis Joplin, Bob Dylan, Johnny Cash, Bob Marley, Beatles, Legião. Voltaria a uns shows dos Raimundos, do Nirvana... Ai que sonho!!!! Livro doidinho e bem legal.

Sinopse: Imagine poder viajar no tempo para assistir a qualquer grande show da história: os Beatles no Shea Stadium ou no telhado da Apple Records, o Nirvana em um bar minúsculo de Seattle ou Miles Davis no lendário clube Birdland. A norte-americana Mo Daviau transformou esse desejo em realidade no engenhoso 30 e poucos anos e uma máquina do tempo, uma espécie de cruzamento entre De volta para o futuro e Alta fidelidade protagonizado por Karl e Wayne, dois amigos de meia-idade que descobrem um meio de voltar no tempo para assistir a shows incríveis, e a ganhar dinheiro com o negócio. Tudo vai bem até que Wayne decide o óbvio: interferir no passado. Afinal, quem dispensaria a chance de reescrever uma ou outra linha da própria história? Movido a música e romance, 30 e poucos anos e uma máquina do tempo é uma espirituosa, e um tanto nostálgica, reflexão sobre sonhos, escolhas de vida e a passagem do tempo.

O berimbau da Bahia: livro de capeoira, onde um músico argentino pesquisou e escreveu sobre cada toque de capoeira. Aprendi muito. Amei!!!

Sinopse: Livro escrito em Português e Inglês, narra a vasta pesquisa sobre Berimbau feita por Musotto, englobando os toques de Capoeira Angola, Capoeira Regional, Berimbau Moderno.




Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

sábado, 27 de janeiro de 2018

Encontro de Camaradas

Na 6a. feira, após o AquaRio fui em casa, descansei uma horinha e voltei pro Rio, pro Encontro de Camaradas, onde fiz curso de Capoeira com meu Mestre, na Academia de amigos, na Cidade de Deus. 



Sábado de manhã cedinho, voltei pro Rio de novo, pra mais capoeira. Dessa vez num sítio. Fizemos curso de manhã com o Mestre Sabiá da Bahia.





Depois teve churrasco, piscina, música e muito papo com os amigos de todos os cantos do Brasil. Amo muito tudo isso. Minha 2a. família. Um ótimo jeito de começar o ano (da capoeira, digo)!








Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Aqua Rio com amigas

6a. feira, dia 19/01, fui ao Aqua Rio com amigas da época da faculdade. Lugar lindo, bem estruturado, os animais parecem estar bem cuidados, com espaço. Gostei do que vi. Tudo lindo!!!









Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Viagem: Araruama, Saquarema e Cabo Frio

Fui pra casa do meu pai, em Araruama e passei 2 dias por lá, curtindo meu pai e meu dois irmãos mais novos: Charlles, de 12 anos, e Ruizinho, de 6 meses. E nós, junto com a sua esposa Vera, passeamos e nos divertimos bastante. Cheguei na 3a., dia 16/01, a tarde, e passeamos em Araruama, na Praça Menino João Hélio e na Orla.





Depois fomos pra Saquarema, cidade vizinha, onde passeamos mais (fomos ao Estádio do Boa Vista e a casa do Serguei) e comemos uma deliciosa pizza, antes de voltarmos pra casa.






Na 4a. feira, dia 17/01, fomos cedo pra Lagoa de Araruama. Voltamos para casa para tomar banho e aproveitei a piscina com meus irmãos.




E logo fomos pra Saquarema, onde meu pai e Charlles foram pro Estádio ver o jogo Fluminense x Boavista, enquanto eu, Vera e Ruizinho fomos pro canal de Saquarema. Depois do jogo eles nos encontraram e demos umas voltas pela cidade.





5a. feira, dia 18/01, fomos cedinho para Cabo Frio, para a Praia das Conchas, minha praia preferida da vida toda (onde passei minha infância) e ficamos o dia todo. Almoçamos aquela deliciosa anchova que só lá tem. Um dia perfeito.



Os cachorrinhos do meu pai, em ordem de chegada na casa: Ternura (tá há anos com ele e já está bem velhinha), Mel (serelepe toda vida) e Tubarão (novo membro, novinho ainda).



E como tudo que é bom dura pouco, voltei pra casa a noite, pois tinha outros compromissos maravilhosos no dia seguinte. E chegar em casa e matar saudade dos meus amores é sempre bom demais!


Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Rio Literário

Na 4a. feira, dia 03/01, fui com um grande amigo dos tempos do ensino médio (que reencontrei no meio do ano passado depois de muitos anos) e uma antiga amiga de trabalho, na qual dividimos a paixão pela leitura (e ela foi com outra amiga e a sobrinha) para o passeio Rio Literário, que sempre via no facebook do Revelando o Brasil e nunca que ia.



Nos encontramos na Fundação Biblioteca Nacional, onde o passeio começa. A guia, Juliana, nos conta histórias e curiosidades sobre a biblioteca, como a cadeira no. 4, que era a preferida de Carlos Drummond, e as histórias/lendas de fantasmas que rondam a biblioteca.




Depois fomos andando pelas ruas e fizemos uma parada na Academia Brasileira de Letras (infelizmente não teve visita interna, porque só retoma em abril e fiquei querendo voltar lá). Paramos no prédio ao lado, onde tem estátua do Manuel Bandeira. Demos uma passada na Confeitaria Colombo, numa outra que nem lembro o nome (e ela parava para contar dos autores que se reuniam por ali) e fomos até a Casa Cavé, que é estilo da Colombo também.


De lá, seguimos para o nosso último ponto, o Real Gabinete Português de Leitura, que é a coisa mais linda do Mundo. Fiquei maravilhada lá dentro. Me senti num filme, tipo Harry Potter ou A Bela e a Fera. Incrível, e fechamos o passeio com chave de ouro.






Super recomendo!!!

Beijossssssss
┌──»ʍi૮ђα